• Nossa montanha-russa

    Nossa montanha-russa

    Que a vida é mesmo uma caixinha de surpresas, eu já sabia, mas a nossa, ultimamente está mais para uma montanha-russa no escuro  e de olhos vendados....

  • A ideia – Tanzânia 2017

    A ideia – Tanzânia 2017

    Em Novembro de 2015, estivemos em Moshi para realizer um grande sonho: escalar o Kilimanjaro. E realizamos. Chegamos ao cume, mas o sonho parecia não ter terminado....

  • Entrevista dada à TVE Jundiaí

    Clique na imagem abaixo: Entrevista para TVE Jundiaí

  • Belíssimo documentário feito pela TV Aparecida sobre nós.

    Clique na imagem abaixo: Queríamos tanto fazer um documentário sobre nossa viagem e fizeram por nós.

  • Na mídia de Jundiaí

    Na mídia de Jundiaí

    Depois de alguns meses da nossa viagem ainda repercute o que fizemos. E vejam que, mesmo achando que fizemos pouco, a motivação para as outras pessoas pode...

Que a vida é mesmo uma caixinha de surpresas, eu já sabia, mas a nossa, ultimamente está mais para uma montanha-russa no escuro  e de olhos vendados. E que sensação boa essa!
Quem nos acompanha desde 2015, sabe que estivemos na Tanzania, escalando o Kilimanjaro e trabalhando em orfanatos durante o nosso mês de férias. Na volta ao Brasil, criamos o: Pés Livres.
Um projeto humilde, mas cheio de sonhos, que consistia em ajudar e trabalhar voluntariamente com crianças, pessoas, escolas, orfanatos e comunidades que encontrássemos pelo caminho de nossas próximas viagens. Voltamos da África cheios de energia boa e muita, mas muita vontade de rodar o mundo com o Pés Livres. Mas aí veio a primeira queda da nossa montanha-russa: um acidente de moto. Resultou em 3 ossos da perna quebrados, 2 cirurgias, placa e pinos, repouso e muita fisioterapia. Era a hora de desacelerar.
Demorei a entender o que a vida queria me dizer com aquela queda…Refleti, pensei e repensei. Me recuperei!
Recebi alta médica e decidimos retomar o projeto Pés livres exatamente onde ele começou: na Tanzania. A ideia dessa vez era retornar à Moshi, ao orfanato onde conhecemos a nossa Aziza (esse encontro merece um texto), e pintar o local, construir um parquinho de brinquedos com material reciclado e levar voluntários daqui do Brasil. Queríamos dar a oportunidade de pessoas sentirem um pouquinho do que sentimos quando estivemos lá.
Legal! Nosso carrinho da montanha-russa estava subindo de novo.
Tudo planejado, projeto do playground pronto, voluntários aparecendo e data escolhida e aí veio talvez a maior e eletrizante “queda”: a nossa gravidez!
Queda, no melhor dos sentidos das palavras, se é que isso é possível. Nunca achei que filho fosse impeditivo para nada mas dessa vez tive que aceitar, nosso filho(a) poderia nascer exatamente no dia que planejamos chegar na Tanzania. E assim foi.
Nossa Maria Flor nasceu exatamente dia 1 de Novembro. E começamos a subir novamente.
Maria trouxe leveza na subida. Trouxe força, trouxe amor. Trouxe fluidez e sabedoria para entendermos que na hora certa voltaríamos a África, e agora acompanhados por um par de Pés Livres novinhos e fofinhos, que mais parecem duas bisnaguinhas.
Maria nos mostra todos os dias que ganhamos uma parceira pra vida. Com a sua tranquilidade e sorrisos soltos diários, nos confirma que está na hora de planejar novamente a mais tão esperada queda da nossa montanha russa: voltar a origem dos Pes Livres, voltar a Tanzania.
E colocamos o nosso carrinho para subir!
A viagem já começou a ser planejada, data já está escolhida, voluntários já estão aparecendo novamente e o coração já começou a palpitar de alegria de pensar em chegar lá.
Vamos pintar uma escola primária e construir o nosso tão sonhado playground. Vamos doar nosso tempo às crianças. Vamos aprender e receber.
Levantem os braços que vamos descer! E que venha o frio na barriga. Que venha o coração acelerado.
Estamos mais prontos do que nunca!
Parafraseando Guimarães Rosa…
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. Sobe, sobe e depois despenca. O que ela quer da gente é coragem.

Em Novembro de 2015, estivemos em Moshi para realizer um grande sonho: escalar o Kilimanjaro. E realizamos. Chegamos ao cume, mas o sonho parecia não ter terminado.

Trabalhamos praticamente 1 mês no orfanato como voluntários e parecíamos estar ajudando tanto àquelas crianças, mas eram elas que estavam transformando a nossa vida: nos deram combustível o suficiente para decidirmos voltar a Moshi em 2017.

Retornamos ao Brasil em 2015 com muita vontade de fazer algo a mais por aquele lugar, por aquelas pessoas que tanto nos acolheram e nos mostraram a simplicidade de ser simplesmente feliz.

Nos últimos dias da nossa primeira ida a Tanzânia conhecemos um orfanato recém construído em Mabogini, região rural da cidade Moshi. Habitado por 45 crianças orfãs, algumas soropositivas e que foram amparadas por um pastor. Crianças encantadoras, tímidas, felizes, mas com uma magia ainda mais especial no olhar, pelo menos para nós.

Por que Tanzânia? Por que em Moshi?

Talvez nunca saibamos responder essas perguntas. Talvez nem queremos saber o por que e explicar a vocês o por que. Talvez vocês devam sentir com o próprio coração! Por isso decidimos retornar em 2017 levando pessoas com a gente.

Pessoas. Voluntários. Amigos. Parceiros. Pés livres.

 

Observando nossas recordações, fotos, vídeos e o diário da primeira da viagem, começamos a refletir o que faltava naquele lugar que em meio a tanta miséria conseguia nos encantar tanto.

De que forma poderíamos deixar o orfanato ainda mais especial e acolhedor para as crianças?

Em nossas fotos o que nos chamou atenção foram as paredes recém construídas ainda em tijolos, outras começando a ser rebocadas, mas tudo muito cinza!

Por que não colocar cores ali?!

Partindo da ideia de que cor é luz e que criança é vida, decidimos colorir as paredes daquele lar.

E não paramos por aí (nunca paramos), decidimos também construir um parquinho de brinquedos (com material reciclável), afinal brincar é colorir o sorrir de cada criança.

Pronto. A equação perfeita.

Clique na imagem abaixo:

Entrevista TVE Jundiaí

Entrevista para TVE Jundiaí