Nossa montanha-russa

Que a vida é mesmo uma caixinha de surpresas, eu já sabia, mas a nossa, ultimamente está mais para uma montanha-russa no escuro  e de olhos vendados. E que sensação boa essa!
Quem nos acompanha desde 2015, sabe que estivemos na Tanzania, escalando o Kilimanjaro e trabalhando em orfanatos durante o nosso mês de férias. Na volta ao Brasil, criamos o: Pés Livres.
Um projeto humilde, mas cheio de sonhos, que consistia em ajudar e trabalhar voluntariamente com crianças, pessoas, escolas, orfanatos e comunidades que encontrássemos pelo caminho de nossas próximas viagens. Voltamos da África cheios de energia boa e muita, mas muita vontade de rodar o mundo com o Pés Livres. Mas aí veio a primeira queda da nossa montanha-russa: um acidente de moto. Resultou em 3 ossos da perna quebrados, 2 cirurgias, placa e pinos, repouso e muita fisioterapia. Era a hora de desacelerar.
Demorei a entender o que a vida queria me dizer com aquela queda…Refleti, pensei e repensei. Me recuperei!
Recebi alta médica e decidimos retomar o projeto Pés livres exatamente onde ele começou: na Tanzania. A ideia dessa vez era retornar à Moshi, ao orfanato onde conhecemos a nossa Aziza (esse encontro merece um texto), e pintar o local, construir um parquinho de brinquedos com material reciclado e levar voluntários daqui do Brasil. Queríamos dar a oportunidade de pessoas sentirem um pouquinho do que sentimos quando estivemos lá.
Legal! Nosso carrinho da montanha-russa estava subindo de novo.
Tudo planejado, projeto do playground pronto, voluntários aparecendo e data escolhida e aí veio talvez a maior e eletrizante “queda”: a nossa gravidez!
Queda, no melhor dos sentidos das palavras, se é que isso é possível. Nunca achei que filho fosse impeditivo para nada mas dessa vez tive que aceitar, nosso filho(a) poderia nascer exatamente no dia que planejamos chegar na Tanzania. E assim foi.
Nossa Maria Flor nasceu exatamente dia 1 de Novembro. E começamos a subir novamente.
Maria trouxe leveza na subida. Trouxe força, trouxe amor. Trouxe fluidez e sabedoria para entendermos que na hora certa voltaríamos a África, e agora acompanhados por um par de Pés Livres novinhos e fofinhos, que mais parecem duas bisnaguinhas.
Maria nos mostra todos os dias que ganhamos uma parceira pra vida. Com a sua tranquilidade e sorrisos soltos diários, nos confirma que está na hora de planejar novamente a mais tão esperada queda da nossa montanha russa: voltar a origem dos Pes Livres, voltar a Tanzania.
E colocamos o nosso carrinho para subir!
A viagem já começou a ser planejada, data já está escolhida, voluntários já estão aparecendo novamente e o coração já começou a palpitar de alegria de pensar em chegar lá.
Vamos pintar uma escola primária e construir o nosso tão sonhado playground. Vamos doar nosso tempo às crianças. Vamos aprender e receber.
Levantem os braços que vamos descer! E que venha o frio na barriga. Que venha o coração acelerado.
Estamos mais prontos do que nunca!
Parafraseando Guimarães Rosa…
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. Sobe, sobe e depois despenca. O que ela quer da gente é coragem.